MERCADO DE TRABALHO EM DEZEMBRO DE 2020

08 dez 2020

Em artigo que escrevemos em 30 de junho, falávamos da retomada das contratações de executivos, batemos recorde de clientes recolocados aqui na M1, e citávamos as projeções do Banco Central de queda do PIB de 4,5 % contra as projeções de 9 a 10 % dos analistas econômicos. Acharam que eu estava me precipitando. Agora a projeção já é de 3,7 % em 2020.

Pois bem, agora em dezembro, já com os números de emprego de novembro, a realidade é ainda mais otimista, senão vejamos:

1.     Tivemos recorde de entrada de investidores estrangeiros na Bolsa brasileira, em toda a história da B3.

2.     O dólar já está próximo de R$ 5,00 e projeta queda maior em dezembro, chegando a R$ 4,5 em 2020. A bolsa de valores já está em 113.750 pontos e subindo.

3.     Recorde de investimentos estrangeiros no país e recorde de geração de empregos em novembro mostram o Brasil entre as 4 economias com mais forte retomada no mundo.

4.     As perdas de emprego durante a pandemia já foram recuperadas, e as empresas estão crescendo e contratando em todos os segmentos da indústria, comércio e serviços.

5.     Em Novembro aqui na M1 batemos novo recorde de recolocação, e dezembro começamos recolocando o dobro de novembro, nesses primeiros 6 dias. Impressionante.

6.     Temos muito gargalo ainda nas cadeias produtivas e faltam matérias-primas em todo tipo de insumo industrial, seja na área de bens de consumo não durável ou em toda a cadeia da indústria de transformação e de produtos seriados.

7.     Calcula-se perda de 25 % no faturamento das empresas de bens de consumo neste final de ano por falta de embalagens, seja papelão ondulado, garrafas de vidro, garrafas plásticas, latas de alumínio, embalagens em geral.

8.     Na Construção civil já falta cimento, tijolo, telhas, e todo tipo de material de construção.

9.     A Indústria de autopeças, automóveis, bicicletas, ônibus e caminhões, eletrodomésticos e eletroeletrônicos batem recordes de produção.

10.     50 % dos clientes recolocados na M1 em novembro foi na cadeia de Supply Chain, mostrando a corrida das empresas para arrumarem as cadeias produtivas, que ainda levarão mais alguns meses para voltar à normalidade.

11.     Estamos recolocando compradores, gerentes de compras, diretores de Supply Cain com mais facilidade, como há muito não se via.

12.     A contratação de 400 mil novos empregos em novembro com carteira assinada é recorde histórico e aconteceu tanto na construção civil, agronegócio, indústria, comércio e serviços.

13.     Dezembro deve bater novo recorde de contratações podendo chegar a quase 500 mil novos empregos com carteira assinada.

14.     O Aumento da taxa de desemprego é circunstancial, mostrando o otimismo das pessoas que voltam a sonhar com um emprego e voltam ao mercado em busca da dignidade perdida.

15.     Houve queda no número de pessoas afastadas pelo covid em outubro e novembro, e começa a cair também o número de pessoas em situação de teletrabalho.

16.     O Investimento direto na economia está m crescimento e os investidores externos voltam a investir no Brasil. O número de abertura de capital e IPOs este ano é recorde no país, apesar da pandemia.

E Finalmente, parece que a maiorias das cadeias produtivas deve ter um final de ano em ritmo de produção forte. As férias coletivas, normais nesta época do ano, serão quase nulas em todos os segmentos. Os estoques estão baixos, a demanda crescente, as contratações continuam.

Bom final de ano a todos.