Disrupção tecnológica: ela não é uma ameaça ao seu processo de gestão

04 out 2019

Tecnologias como Big Data, Blockchain, Internet das Coisas (IoT) e Machine Learning chegaram com uma velocidade avassaladora no dia a dia das empresas e estão provocando uma transformação digital nos negócios. Para as lideranças, além dos desafios já conhecidos, surge a necessidade da disrupção tecnológica. 

As mudanças e quebras de paradigma que ela causa tende a criar novos hábitos, experiências e expectativas, remodelando os negócios. E então, o que significa liderar quando tudo muda o tempo todo? Essas transformações são ameaças ou oportunidades?

Vamos esclarecer tudo isso e mostrar como a disrupção está redefinindo a liderança.

O que é disrupção tecnológica?

Disrupção tecnológica ou disrupção digital é um termo criado pelo professor de Harvard Clayton Christensen, que  descreve os efeitos das novas tecnologias sobre as formas tradicionais que os processos são realizados.

É uma mudança sem volta, causada pelas possibilidades oferecidas por novas tecnologias, que afetou o modelo tradicional de negócios, provocando alterações profundas na forma como as empresas vendem e interagem com seus clientes e também na sociedade. 

A era da liderança disruptiva

Nas empresas, a alta gestão costuma ser a condutora desse movimento de transformação. Um bom líder, aberto às mudanças, será capaz de desenvolver pessoas inovadoras, criativas e produtivas, com potencial de entregar resultados ainda melhores.

Por isso, quatro competências de liderança são essenciais para que os gestores possam enfrentar a disrupção tecnológica. Confira:

  1. Humildade – essa habilidade é fundamental para buscar diversos inputs – tanto de dentro da organização quanto de fora dela. Isso permite que os líderes estejam mais abertos a novas ideias e inovações;
  2. Adaptabilidade – lidar com rápidas mudanças culturais e impactos nos negócios requer adaptabilidade. Sem ela, a capacidade de resposta à disrupção digital fica severamente restrita;
  3. Visão – constantes mudanças pedem uma visão forte e clara para enxergar as oportunidades que aparecem de todos os lados advindas das novas tecnologias e modelos de negócios;
  4. Engajamento – ser um bom ouvinte e escutar clientes, parceiros, fornecedores e a equipe garante um constante intercâmbio de informações. Essa troca ajuda a encorajar os colaboradores e ajustar visões corporativas.

Esteja preparado para transformar a disrupção tecnológica em uma oportunidade. Não tenha medo e encare esse desafio!